quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Relembrar é viver

Tieta foi uma das melhores telenovelas de todos os tempos, e uma das minhas preferidas. Foi um dos maiores sucessos da Rede Globo, e por cá aconteceu o mesmo, com o público a ficar completamente fascinado com tudo, com os mistérios da caixa branca da Perpétua, ou da Mulher de Branco, a divertir-se com as malandrices de Osnar, os comentários de dona Milú ou então com os ataque de dona Amorzinho.
Com 196 capítulos, apresentou assim uma trama leve e que se desenvolvia a bom ritmo, tendo sido transmitida pela RTP ás 20h15, entre Outubro de 1990 e Maio de 1991.
A história passa-se em Santana do Agreste, uma vila, que vive alimentada por um gerador (que se desliga às 22h) e que recebe os seus visitantes e correio numa carrinha que nem sempre funciona a 100%.  No começo vemos vários flashbacks que mostram como Tieta (Claudia Ohana nos flashbacks e Betty Faria na trama principal), é escorraçada da cidade pelo seu pai Zé Esteves (Sebastião Vasconcelos), que odeia o seu modo libertino de viver a vida e que vai contra os seus princípios de vida, a pastorear as suas cabritas.
Diverti-me muito com esta novela, revendo com prazer quando foi repetida pela SIC. Uma maravilhosa banda sonora, um genérico sedutor e uma história fantástica e bem divertida.



 

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Os meus filmes do fim de semana

Para além das Cinzas.
Russell Baze (Christian Bale) não tem uma vida fácil. De dia trabalha como operário metalúrgico e durante a noite cuida do pai que tem uma doença terminal. Vive com o irmão mais novo Rodney (Casey Affleck) numa zona pobre e economicamente deprimida dos EUA conhecida como "Rust Belt".
Sempre sonharam sair dali em busca de algo melhor, mas após regressar de uma comissão no Iraque, Rodney vê-se empurrado para um dos gangues mais perigosos e violentos da zona e desaparece sem deixar rasto.Com o desaparecimento do irmão e a justiça que nada consegue fazer, Russel, toma o assunto em suas próprias mãos para encontrar justiça.


O segundo filme que vi foi o Passengers (Passageiros)
Dois passageiros acordam 90 anos antes do tempo programado durante uma viagem a um novo planeta, a bordo de uma magnifica nave espacial. 
Sozinhos, Jim e Aurora começam a estreitar o seu relacionamento. Entretanto, a paz é ameaçada quando eles descobrem que a nave está correndo um sério risco e que eles são os únicos capazes de salvar os mais de cinco mil colegas em sono profundo.
Um filme que embora não seja dos meus estilos preferidos, vê-se muito bem. 


quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Pequenas coisas

É curioso como as pequenas coisas são tão importantes.
Hoje sinto-me bem. Sinto-me bonita. Ontem fui arranjar as unhas, nada de especial, e hoje vesti uma peça de roupa que nunca tinha usado. Foi o bastante para me fazer sentir que hoje estou especial, diferente.
As mulheres são vaidosas por Natureza, gostam de se arranjar, de estar bonitas e de se sentirem ao mesmo tempo confortáveis. A moda da sapatilha veio trazer tudo isso, pois podes estar sexy e elegante com uma blusa e uma sapatilha gira.

Organizar a nossa rotina de beleza é um compromisso com nós próprias. Incluir nos nossos mil afazeres da semana um tempinho para arranjar as unhas e as sobrancelhas, colocar um pouco de maquilhagem, um rimel que seja para dar  um ar. Um creme hidratante que deixe a pele macia e suave e roupas bonitas e confortáveis.
Hoje em dia não é necessário muito dinheiro para se andar com roupa fora do normal e que nos faça sentir bonitas, ás vezes basta um pouco de tempo e disponibilidade para procurar bem.
Uma mulher que se sinta bem na sua pele e na sua roupa causa admiração. Passa imagem de poder, auto estima e confiança.

História de Amor


O inglês Jack Potter não quer que sua esposa Phyllis esqueça o amor que os une há mais de 70 anos. Sabendo que Phyllis sofre de demência e falta de memória, o homem visita todos os dias a casa de repouso na cidade de Rochester, Inglaterra, onde ela está, e lê para ela o diário que guarda desde o dia em que se conheceram.
O inglês, de 91 anos, disse ao jornal Daily Mail Online que se lembra exactamente do momento em que os dois se cruzaram, num baile. Foi em 1941 (casaram em 1943) e no diário escreveu: “Foi uma noite muito agradável. Dancei com uma rapariga muito fixe. Espero encontrá-la novamente”.
Esses e outros momentos, como o casamento, as férias, as fotografias e todos os momentos partilhados a dois, estão nesse diário que Jack foi fazendo ao longo dos anos e que agora faz questão de ler para sua esposa demente. Apesar de debilitada, Phyllis esforça-se para abraçar o marido. Eles festejaram 70 anos de casamento.